21 de Outubro de 2019
  • Correio do Povo
  • Geral

Contardo Calligaris reflete sobre existência humana no Fronteiras do Pensamento nesta terça

Conferência do psicanalista e cronista ocorre às 19h45min no Centro de Eventos da PUCRS

publicidade

Excepcionalmente hoje, a conferência do psicanalista e cronista italiano Contardo Calligaris, dentro do Fronteiras do Pensamento, acontece, no Centro de Eventos da PUCRS (Avenida Ipiranga, 6.681), às 19h45min. Doutor em Psicologia Clínica pela Universidade de Provence, Calligaris integra o corpo docente do Institute for the Study of Violence, em Boston. Tem sua trajetória marcada pela reflexão sobre a existência humana.

No consultório de psicanálise, em seus textos e livros, Calligaris aborda as questões da adolescência e as angústias provocadas pelos desafios contemporâneos. "Ter uma vida interessante significa viver plenamente. Isso pressupõe poder se desesperar quando se fica sem alguma coisa que é muito importante para você. É preciso sentir plenamente as dores: das perdas, do luto, do fracasso. Eu acho um tremendo desastre esse ideal de felicidade que tenta nos poupar de tudo o que é ruim", disse em entrevista publicada no site do Fronteiras. Uma vida interessante

O psicanalista refuta a promessa de uma vida feliz. Para ele, o que importa é uma vida interessante. Simples e desafiadora, a ideia acabou se tornando o tema central do Fronteiras do Pensamento 2019: "Os Sentidos da Vida na Contemporaneidade". "Não gosto muito da palavra felicidade, para dizer a verdade", comenta.

"Acho que é, inclusive, uma ilusão mercadológica. O que a gente pode estudar são as condições do bem-estar. A sensação de competência no exercício do trabalho, já se sabe, é a maior fonte de bem-estar, mais que a remuneração. Nós temos ideal de felicidade um pouco ridículo. Um exemplo é a fala do churrasco. Você pega um táxi domingo ao meio-dia para ir ao escritório e o taxista diz: 'Ah, estamos aqui trabalhando, mas legal seria estar num churrasco tomando cerveja'. Talvez você ou o taxista sofram de úlcera, e não haveria prazer em tomar cerveja. Nem em comer picanha. Mesmo que não vissem problema, pode ser que detestassem as pessoas lá e não se divertissem. Em geral, somos péssimos em matéria de prazer".  No Brasil desde os anos 1980

Em 1985, o psicanalista veio ao Brasil para lançar seu primeiro livro de psicanálise, "Hipótese Sobre o Fantasma". Posteriormente, fixou residência no país, onde mora até hoje. Publicou diversos livros, incluindo romances e uma peça teatral. Também criou a série de televisão intitulada "Psi", exibida no canal por assinatura HBO. 

Calligaris iniciou os estudos nas áreas de Letras e de Filosofia. Em 1975, foi aceito como membro da Escola Freudiana de Paris, onde morou até 1989. Lecionou na Universidade Paris 8 e teve aulas com os filósofos franceses Roland Barthes e Michel Foucault, além de acompanhar os seminários do psicanalista francês Jacques Lacan, grande influência em sua formação.

Além de atender nos seus consultórios em São Paulo e Nova Iorque, é colunista da Folha de S.Paulo. Em seu trabalho, aborda temas como Cultura e Psicanálise, e a suposta obrigatoriedade da felicidade, do gozo, da beleza e dos excessos.

A temporada 2019 do Fronteiras do Pensamento já trouxe a Porto Alegre Graça Machel, Paul Auster, Roger Scruton, Denis Mukwege, Janna Levin e Werner Herzog. O ciclo se encerra em novembro, com o francês Luc Ferry. Os passaportes para a temporada estão esgotados.