26/12/2013
Jornal do Comércio
Economia | Pág. 10
Clipado em 26/12/2013 03:12:49
Estado terá planejamento de logística e transporte
Plano para 25 anos prevê estudos socioeconômicos, de modais, e projeção de cenários para a área de transporte e de cargas

A página do jornal solicitado
não está disponível


O Plano Estadual de Logística de Transportes (Pelt), da Secretaria de Infraestrutura e Logística (Seinfra), que será lançado hoje, prevê um cronograma de trabalho de 16 meses contratado pela Seinfra, que contará com diagnóstico dos modais, estudos socioeconômicos, aproveitamento de sugestões já existentes que vão permitir a elaboração de cenários e zoneamentos do tráfego e do transporte de cargas.

0 projeto prevê a constituição de um escritório do Pelt que reunirá órgãos de governo, universidades e entidades da sociedade civil. 0 Plano vai utilizar ferramentas adequadas à implementação de um sistema de planejamento dinâmico e perene, com diagnóstico de demandas e redirecionamento constante de ações sobre o conjunto do sistema logístico estadual. 0 lançamento do plano acontece às 15h, no Centro Administrativo Fernando Ferrari. A iniciativa será financiada com recursos do Banco Mundial e vai orientar o desenvolvimento logístico do Estado nos próximos 25 anos. Ao ser implantado, o Pelt vai fornecer um mapeamento completo dos fluxos de cargas nos diferentes modais em todo o Estado, em tempo real, permitindo ações imediatas, como, por exemplo, a necessidade de investimentos em determinada via por conta aumento de fluxo, ou a maior atenção ao modal hidroviário frente a seu crescimento acelerado por meio do polo naval. 0 objetivo final é priorizar a integração e o equilíbrio modal. A obtenção e o processamento de dados, além de possibilitarem ao governo do Estado readequar constantemente suas políticas em logística de transportes, irão reduzir custos logísticos aos empreendedores e tornar mais eficiente a aplicação dos recursos públicos. "Estamos virando a página da gestão do transporte e da logística do Estado. Pela primeira vez, poderemos tratar de temas estruturais como esses, com planejamento adequado, o que nos permitirá ações mais rápidas, eficazes e, consequentemente, com enormes ganhos, não só para o Estado, mas para a economia e o desenvolvimento gaúcho como um todo", afirma o secretário de Infraestrutura e Logística, João Victor Domingues. Atualmente, 85,3% do sistema logístico gaúcho é rodoviário; 8,8% é ferroviário; a hidrovia absorve 3,6%; o transporte de produtos com óleo e gás natural por dutos ocupa 2,1%; e apenas 0,2% é ocupado pelo modal aeroviário.