02/05/2014
CQ7 Comunicação | cq7.com.br
Geral
Clipado em 02/05/2014 21:16:06
Nem tudo é crise no polo naval do Sul

A página do jornal solicitado
não está disponível


02 de maio de 2014

Com um investimento de R$ 20 milhões, a irlandesa Suretank instalou sua primeira fábrica na América, em Caxias do Sul. A fabricante de contêineres e tanques para a indústria de petróleo, que até então tinha apenas um escritório comercial no estado do Espírito Santo, entra para a cadeia de fornecedores do Polo Naval de Rio Grande. É uma boa notícia para o a indústria naval do sul, que nos últimos meses vem amargando dificuldades, em um cenário marcado por demissões e incertezasespecialmente no incipiente polo naval de Charqueadas, município próximo de Porto Alegre.

Em reunião com o secretário do Desenvolvimento e Promoção do Investimento do Rio Grande do Sul, Mauro Knijnick, o CEO da Suretank no Brasil, Marco Pfeifer, ressaltou a importância da fábrica, que em sua fase inicial deve gerar um faturamento de R$ 90 milhões por ano.Antes produzíamos através de uma empresa licenciada. Agora faremos nós mesmos. Somos líderes globais na venda de produtos para acondicionar equipamentos utilizados na perfuração e na produção de plataformas de petróleo
, explicou Pfeifer.

A planta de Caxias do Sul deverá atender a demanda de toda a America Latina. Segundo o diretor comercial da empresa, Leandro Fagundes, os primeiros seis meses de operaçãoa contar  de 1º de maioserão para honrar encomendas já feitas por quatro clientes europeus.  A Suretank conta com 120 funcionários e a nova fábrica tem capacidade para processar 100 toneladas por mês.

O CEO mundial da empresa, John Fitzgerald, agradeceu o apoio do governo do Estado e salientou que a qualidade da mão-de-obra local pesou na escolha de instalar a empresa no Rio Grande do Sul. Ouviu de Mauro Knijnick que a chegada da Suretank émais uma provade que a política industrial do governo Tarso Genro está dando resultado.Somos o Estado que mais cresce no Brasil. Segundo um jornal chileno, somos a China dentro do Brasil, já que crescemos 6,8% anos passado e a média do Brasil ficou em 1,2%
, enfatizou.