10 de Outubro de 2018
  • O Estado de S. Paulo
  • Esportes
  • P. 19

Duda Rosa é bronze no judô e mantém a tradição de pódio

Pela terceira edição seguida dos Jogos Olímpicos da Juventude o judô brasileiro subiu ao pódio. Ontem, a gaúcha Eduarda Rosa conquistou a medalha de bronze na categoria até 78 kg (detalhe: ela costuma lutar na categoria até 70 kg). Ela só foi derrotada pela alemã campeã Raffaela Igl na semifinal. “A gente já tinha se enfrentado quatro vezes, com duas vitórias para cada lado. Desta vez ela ganhou”, comentou a brasileira, que na disputa da medalha superou a equatoriana Edith Ortiz. No combate, a adversária acabou sendo desclassificada por aplicar um golpe ilegal.

“Ela foi desclassificada por ter aplicado um golpe inválido que poderia ter quebrado meu braço ou provocado uma luxação”, comentou a judoca. “Cheguei como uma das favoritas, mas perdi a semifinal para a alemã por um erro da arbitragem. Pelo fato de a gente se conhecer muito, faz com que seja uma luta enrolada e que foi decidida nas punições”, disse. Nas edições anteriores dos Jogos da Juventude, o Brasil também havia ido ao pódio.

Em 2010, Flavia Gomes foi prata e em 2014 foi a vez de Layana Colman brilhar com a medalha de ouro. Coincidentemente, as duas não conseguiram obter o mesmo sucesso depois do feito olímpico. “É muito bacana e mostra que o trabalho está sendo muito bem feito pela confederação”, explicou. Para Duda, o importante é manter o foco. “Antes de vir para Buenos Aires, eu conversei bastante com a Layana e ela me passou muitas dicas que me ajudaram bastante. Com tudo que estou aprendendo aqui, isso tudo vai agregar no meu currículo. Ela me falou sobre o evento, sobre a parte técnica do judô e sobre tudo que ela passou.”

Por influência do pai e do avô, que já praticavam a modalidade, Duda entrou no judô aos 6 anos de idade. A questão da disciplina e por causa da saúde, o esporte entrou em sua vida. Agora, ela vai em busca de outro feito. Hoje, a atleta do Grêmio Náutico União vai disputar a competição por equipes mistas e pensa em ir ao pódio novamente. “Já ganhei uma medalha e quero outra. Estou aqui para lutar e dar o meu melhor.”