06 de Janeiro de 2018
  • Zero Hora
  • Obituário
  • P. 31

Alejandro Antonio Sánchez Policella

O engenheiro civil Alejandro Antonio Sánchez Policella morreu na última segunda-feira vítima de falência de múltiplos órgãos. Ele estava internado no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre.

Alejandro nasceu em 11 de setembro de 1925, em Florencia, província de Santa Fé, na Argentina, mas ainda criança foi morar em Montevidéu, capital do Uruguai. Nos anos 1970, transferiu-se para Porto Alegre.

Segundo familiares, destacava-se pela paixão que dedicava ao seu ofício, o qual exerceu com absoluta correção e competência. Era um homem intenso, totalmente dedicado a sua família, que era sua maior fonte de alegria e felicidade.

Entre suas diversas atividades empresariais, trabalhou como perito judicial e na atividade imobiliária.

No Uruguai, possuía uma empresa do ramo de construções. Foi diretor-geral da Escuela de la Construcción de la Universidad de la República (Udelar).

No Brasil, trabalhou em algumas empresas de construção civil e, depois, desenvolveu sua própria empresa, a Alesa Engenharia e Construções Ltda.

Alejandro era um esportista amador. Na juventude, praticou natação, saltos ornamentais, boxe e vela.

Mais tarde, jogava golfe e tênis, o qual praticou enquanto a sua saúde permitiu, nas quadras do Grêmio Náutico União. Foi membro do Lions Clube por mais de 50 anos .

- Foi um modelo de pessoa de bem, um modelo de cidadão - afirmou o filho, Alejandro Miguel Sánchez.

"Chaco" (pronúncia-se "tchaco") era o apelido pelo qual foi conhecido. Recebeu-o ainda criança, em homenagem à província vizinha de Santa Fé, Chaco, região próxima de Florencia, onde nasceu.

Deixa a esposa, Dina Ofélia, os filhos Alejandro Miguel, Maria Cristina e Ana Laura, genro, nora e quatro netos.

O corpo de Alejandro foi enterrado no Cemitério São Miguel e Almas e a missa de sétimo dia será realizada no domingo, às 19h, na Igreja Auxiliadora, na Rua 24 de Outubro, 1.751.