03/06/2014
Jornal do Comércio | jornaldocomercio.com
Esporte
Clipado em 03/06/2014 16:44:46
Estádios recebem reforço na rede de celular, mas nem todos terão wi-fi

A página do jornal solicitado
não está disponível


Para garantir a comunicação dos torcedores durante os jogos da Copa do Mundo, as operadoras de telefonia instalaram cerca de 300 miniantenas em cada um dos 12 estádios que vão sediar o mundial. Por meio de uma parceria, as cinco operadoras (Claro, Oi, Nextel, Tim e Vivo) investiram R$ 226 milhões apenas com o projeto de instalação da infraestrutura compartilhada.

"Foram R$ 212 milhões investidos na cobertura indoor, para telefonia móvel, e R$ 14 milhões em redes wi-fi. Além disso, foram instaladas outras 144 antenas externas nos arredores dos 12 estádios, para dar suporte ao tráfego de pessoas que entram e saem dos estádios antes e depois do jogo", disse o presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), Eduardo Levy.

Dessa forma, as operadoras pretendem dar conta de uma demanda de cerca de 300 mil chamadas de voz com 2,4 minutos de duração e cerca de 24 mil conexões simultâneas de dados a cada hora.

Durante o Mundial, as antenas, distribuídas pelas arquibancadas, praças de acesso, pelos camarotes, vestiários, corredores e estacionamentos, serão ligadas a aparelhos instalados em uma sala no estádio. A estrutura serve para melhorar tanto os serviços de voz como dados, nas tecnologias de segunda, terceira e quarta gerações (2G, 3G e 4G).

Na avaliação do SindiTelebrasil, os estádios mais problemáticos serão os de São Paulo e de Curitiba, devido ao atraso das obras e, consequentemente, o reduzido tempo para instalação dos equipamentos. A estratégia adotada foi dar prioridade aos locais de maior concentração, como as arquibancadas.

"Apesar da falta de tempo para instalação da (infraestrutura planejada para a) cobertura em locais de menor importância - como o hall de deslocamento da entrada até a arquibancada -, faremos reforço para trazer sinal de antenas externas. Mas, nos 12 estádios, quem quiser tirar fotos e postá-las vai conseguir. Uns podem demorar um pouco mais; outros menos. Mas em todos será possível subir (publicar) as fotografias", garantiu Levy.

Como a expectativa de público para os jogos é alta, alguns estádios também terão uma rede de internet sem fio (wi-fi) para desafogar o tráfego nas antenas de celular. O wi-fi distribui sinal a partir de uma conexão com a internet fixa e ajuda a evitar sobrecargas no serviço móvel. A ideia é reforçar o sinal nos estádios durante os jogos para que as operadoras deem conta da demanda e os torcedores não tenham problemas para acessar a rede de dados.

Nos estádios de Brasília (Mané Garrincha), Rio de Janeiro (Maracanã), Salvador (Arena Fonte Nova), Cuiabá (Arena Pantanal), Manaus (Arena da Amazônia) e Porto Alegre (Beira-Rio), a rede wi-fi estará disponível. Com essa rede de internet sem fio, o usuário poderá se conectar gratuitamente, a partir dos estádios, desde que seja cliente de uma das operadoras. O acesso será livre e sem senhas, bastando ao torcedor ativar o wi-fi do smartphone.

Na Arena Pernambuco (Recife), Arena das Dunas (Natal), no Estádio Castelão (Fortaleza), no Mineirão (Belo Horizonte) e na Arena da Baixada (Curitiba), as administrações dos estádios e as empresas de telefonia não chegaram a um acordo para permitir a instalação dos equipamentos de wi-fi.

De acordo com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a administração da Arena Corinthians (São Paulo) manifestou interesse em instalar wi-fi, "mas para ganhar (lucrar) com o serviço", disse ele ao participar de audiência pública no Senado Federal.

A obrigação do governo na área de comunicação para a Copa é a instalação de redes de fibra óptica nos estádios, para a transmissão de imagens de alta definição (HDTV - vídeo e áudio) entre os estádios e o Centro Internacional de Coordenação de Transmissão (IBC), no Rio de Janeiro. O investimento da Telebras até abril deste ano será de R$ 87 milhões para a implantação da infraestrutura para a Copa. Essas infraestruturas se incorporam à rede da Telebras como parte das redes metropolitanas e ficam como legado para utilização no Programa Nacional de Banda Larga (PNBL).

De acordo com o ministro Paulo Bernardo, a responsabilidade do governo com a Federação Internacional de Futebol (Fifa) foi integralmente cumprida. Segundo ele, todos os estádios têm dois anéis de fibras ópticas. "Se alguém passar uma máquina ou quebrar uma fibra, tem a segunda que vai segurar. Qualquer uma das redes sustenta a transmissão", destacou.